Minha primeira experiência com projeção mapeada. Preparem-se para uma viagem repleta de desafios, aprendizados e, claro, muita diversão!

Resolume Arena 7

O começo de tudo: um projetor e um sonho

Lá estava eu, com um projetor de 3.000 Ansi Lumens (ou pelo menos acho que era isso) e um MacBook. O objetivo? Aprender a usar o Resolume Arena 4 e fazer algo incrível. O alvo? A porta da minha área de serviço. Sim, você leu certo. Eu estava determinado a transformar algo tão comum em uma obra de arte audiovisual.

Os primeiros passos: tentativas e erros

No início, eu estava completamente perdido. Não havia muitos recursos ou informações disponíveis sobre como usar o Resolume Arena. Mas eu não desisti. Passei horas estudando, treinando e, claro, errando. Mas cada erro era uma nova oportunidade de aprender.

A descoberta de novos softwares

Enquanto eu me aprofundava no mundo do mapeamento de vídeo, descobri uma série de outros softwares incríveis como Madmapper, Syphon, Spout, OBS, VLC, HeavyM, VVVVV e Watchout. Um que me chamou a atenção foi o QLab, um software amplamente utilizado em teatros na Europa, que oferece recursos de script para integração direta com hardwares.

O momento “Eureka!”

Depois de dois dias intensos, finalmente consegui fazer algo que pudesse ser registrado. Foi simples, mas foi o suficiente para me fazer perceber que eu queria dedicar minha vida ao mundo do audiovisual. Desde então, não parei mais de estudar e testar, sempre buscando novas formas de criar e inovar.

“Esta jornada começou em 2014 e foi um marco inicial na minha carreira em audiovisual.”

A evolução: do Resolume Arena 4 ao 7

Hoje, com a chegada do Resolume Arena 7, as possibilidades são infinitas. Cada atualização é uma nova chance de aprender e criar algo espetacular.

A trilha sonora da jornada

E para embalar essa aventura, nada melhor do que a música de Cisco Vasques com todo seu groove no Projeto Funkíssima. É a trilha sonora perfeita para uma jornada de descobertas e inovações.

O registro da jornada: um vídeo sem edição, mas cheio de significado

Ah, quase me esqueci! Para realmente dar vida a essa história, eu fiz um registro em vídeo de todo o processo e joguei no YouTube. Não tem muita edição, mas a ideia era justamente essa: capturar o momento real, os erros, os acertos e tudo o que faz parte dessa jornada incrível no mundo do audiovisual.

Esse vídeo é a prova viva de que, às vezes, você não precisa de um estúdio de alta tecnologia ou de uma edição sofisticada para criar algo significativo. Às vezes, tudo o que você precisa é de uma ideia e a coragem para executá-la.

Espero que vocês tenham gostado de acompanhar minha jornada no mundo da projeção mapeada. Se você também tem uma história para contar ou quer saber mais sobre o assunto, deixe seu comentário!

Até a próxima, galera!

1 Comentários

Adoraria ouvir sua opinião! Deixe seu comentário abaixo.